13 maio 2015

Challenger

     Fala, galera! A Resenha de hoje é para maiores de 18 anos. É sério. Se você não tem 18 ainda dê meia volta, até mais e só volte aqui no blog na próxima resenha, ok?
     Bom, vou falar do livro Challenger (99 páginas), escrito pelo Arthur Carvalho e editado pela Editora 42.

Arthur Carvalho

Sinopse: "O que você pensaria de uma mulher adúltera, mais velha, mãe e que é paga para se envolver com um aluno do último ano do colegial? Mas espere, antes de julgar, saiba que ela poderia ser qualquer uma das mulheres que você conhece, quem sabe até mesmo você. O que você faria, motivado pelo senso de dever, para cuidar de sua família ou para viver uma paixão, senão proibida, certamente desaconselhada? Essa é a parte mais incrível de Challenger, além de sua verdade ao nos expor o quanto somos recobertos por camadas de julgamentos que se desfazem ao menor sinal de que seremos os réus, ao invés do juiz. Uma história que une erotismo, amor, as inseguranças de um adolescente descobrindo o prazer e os laços fortes que unem duas pessoas que se amam. Challenger vai te desafiar, de uma forma ousada e impensada. Até onde você está disposto?"

     Admito que literatura erótica não é muito meu forte. Nunca tive muito interesse. Não por preconceito nem nada, só não me atrai muito mesmo. Mas quando li uma resenha de Challenger no blog da Angélica, fiquei muito interessada pelo mistério, conspiração e grande polêmica que envolvia o livro. Como eu adoro um bafão, contatei o escritor e adquiri a obra. Enquanto meu exemplar não chegava, fui procurando e lendo algumas resenhas dele pela internet em diversos blogs e me deparei com várias opiniões de que o livro era forte, era polêmico, que a linguagem era chula e vulgar. Fiquei até receosa de não curtir muito por conta da linguagem ser pesada demais. Aí meu livro chegou e fui tirar minhas próprias conclusões.
     Falando da linguagem: não achei nada de chula. É um livro erótico, escrito por um homem, contando a visão de um adolescente com os hormônios a mil. Que tipo de linguagem vocês esperavam? Me desculpem a honestidade, mas bunda é bunda e buceta é buceta e não existem outras palavras pra narrar isto gente. É uma linguagem ok. As palavras mais "fortes", vamos assim dizer, não aparecem em todas as passagens do livro. 
     A edição é linda! A fonte da capa não é lá muito legal, mas por dentro o livro é lindo, cheio de detalhes. 

Arthur Carvalho

     Detalhe: recebi o livro envolto em um lacinho vermelho e achei o toque muito interessante e fofo, mas esqueci de tirar foto antes de desfazer tudo, então emprestei a foto da editora só para ilustrar.

Arthur Carvalho

     Eu sou meio ceguinha e acho que o grau do meu óculos já tá precisando ser um pouco ajustado, então a letrinha bem miúda da edição me complicou um pouco a vida. Percebi alguns errinhos de falta de letras nas palavras ao decorrer do livro, mas nada que seja muito insuportável. 
     A narração é feita sob a perspectiva do Victor, mesclando alguns trechos do diário da Fernanda, onde podemos saber um pouco mais sobre seu ponto de vista. Adorei esta mesclagem! Tornou a leitura muito interessante e eu ficava ansiosa para ler os trechos de diário.
     O enredo é muito envolvente. As cenas de sexo são sim muitas e bem descritas. Com relação à grande polêmica, apenas parem com a hipocrisia. Não sei se é porque eu tenho uma leve tendência a esperar sempre o pior das pessoas, mas não achei nada tão polêmico assim. O garoto não é menor de idade, ou seja, não temos pedofilia. Quantas pessoas existem no mundo que fazem sexo por dinheiro? Independente de quais sejam suas motivações. Não acho nada de tão surpreendente nisto, então confesso que fiquei um pouco decepcionada, querendo que O Programa fosse algo mais surpreendente e com milhões de conspirações, rs... O final achei meio blé. A Fernanda ficou o livro todo passando a imagem de mulher forte pra terminar tão assim. 
     Feitas as considerações, ainda assim gostei muito do livro! A leitura me prendeu, me deixou curiosa, me entreteu bastante e com certeza eu leria novamente. Indicado com certeza para o público mais adulto, rs...

4 comentários:

  1. Ah, Samantha! Que bacana seu post. Curti muito. Vi que temos uns modos de pensar bem parecidos, inclusive sobre essa de esperar (quase sempre) o pior das pessoas... isso evita certas decepções, né mesmo? Você captou o que quis demonstrar com os personagens, achei isso incrível. Muito obrigado pelo espaço, sucesso e mais sucesso. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa agradecer! Gostei de verdade e procuro ser sempre o mais sincera possível em minhas opiniões (isto às vezes gera um certo mimimi, rs...). Fico feliz que tenha gostado e estou no aguardo de uma continuação! =D

      Excluir
  2. Oi Samantha!
    Eu ou suspeita para falar do Challenger pois adorei!
    Mas ao contrário de você tenho uma péssima tendência a confiar demais nas pessoas e sempre esperar o melhor. Resultado: só me fodo (desculpe o palavrão).
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já aprendi que nesse mundo gente boazinha que confia em todo mundo só se ferra hahahahaha Beijos!

      Excluir